quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

AS HÉRNIAS DO PRESIDENTE E DESTE PAÍS

Coisas há, que me dão que pensar. O Presidente Marcelo, alguém com quem simpatizo, rapaz um pouco mais novo do que eu, está "acometido" de uma hérnia inguinal: precisa, como é óbvio, de uma cirurgia rápida, como mandam os catecúmenos. E a comunicação social rejubilou: ...Há material para "triturar", enquanto o Marcelo "vai à faca". Pela parte que me toca, desejo-lhe melhoras e rápida recuperação. Não posso é desejar o mesmo, à comunicação social, sempre tão pronta a cobrir os acontecimentos. Uma hérnia, que tanto trabalho lhe está dando, tem de ser "aproveitada"... Por mim, já vou na quarta ou na quinta, algumas repetidas. É talvez, resquícios de um fadário açoriano, ter hérnias, e o Marcelo também tem essa costela e essa característica e está a ficar também "velhinho". Agora a comunicação social, cumpre e bem, a sua missão: badalar a hérnia ou as hérnias do Presidente deste país, não todas, claro. As que interessam. Aí fico pensando, nos chavões desta insipida democracia: igualdade, etc, etc. E recordo o Pessoa, que não enjeitava um copito, quando bem cheio, ali ao Martinho junto à arcada no Terreio do Paço, ao dizer: (...) Uns mandam no mundo. Os outros são o mundo)... e ele, eu e tu, também são esse mundo... E eu pergunto o que é a igualdade? E o que é o mundo ou melhor, esse mundo e a quem ele pertence? À comunicação social? Aos de que ela se ocupa e badala? Ou a todos nós, ínfimos e ignorados expectadores?

sábado, 23 de dezembro de 2017

PEREGRINO DA INTERROGAÇÃO

Velha e boa amiga, personalidade que muito admiro, alma de artista criativa e inteligente, em conversa amena e ocasional,  e em gracejo de momento,  ter-me-á "cognominado" de "incansável protagonista, MELHOR DIZENDO, PEREGRINO  da interrogação".
Virando os olhos para dentro, tentei alcançar,  para  além  da "profundidade" daquele "ingénuo pirôpo", da sua intenção e da sua  veracidade. Olhei um percurso já longo, que é a minha vida, e sem querer, constatei a realidade; que nunca ninguém defenuiu de forma tão sincopada,  clara e simples, o meu percurso, de vida, quer nas letras, quer nela própria: E o "quem sou eu", voltou à carga e à origem desse pensamento: afinal um "protagonista"  ou talvez um "agente" da interrogação, alguém que tenta entender o que o rodeia e que questiona o que sente ou entende  não estar de acordo com a sua própria indiosincrasia, com os seus princípios, com a sua filosofia de estar na vida e no espaço que o rodeia.
A verdade é que questionar tem sido essa filosofia, a que sempre me "atormentou". Questionar tudo e todos. E sobretudo, questionar-me.
E o porquê desse questionar?
Resumo em duas ou três  palavras:
Primeiro: porque a dimensão de tudo "Isto"  que nos rodeia, é imensa. Basta entender, que há corpos "errantes", astros,  por este espaço fóra, em que a sua luz , ainda não chegou  ao planeta Terra e a luz percorre cerca de 350 mil quilómetros por segundo.
Depois, porque o ser humano, locatário "recente" do sistema, e  que se aboletou num desses milhões de sóis que giram por esse espaço imenso, extremamente sincronizado e ordernado,  desenvolveu
fórmulas sofisticadas de sobreivência, misturando-as com auto-destruição, ganância, "predadorismo" e desrespeito, por quem o criou e pela sua Obra - a Natureza-,  deixando fruir e até entender, que a irracionalidade, passou a fazer parte da sua missão e do seu mundo.
Isto e muito, muito mais, tem-me levado a interrogar permanentemente,  não excluindo a própria morte, o fim de um ciclo maravilhoso, mas frustante, até por vezes incompreensivel, o que nos leva mais directamente a perceber, que somos muito pequenos, seres ínfimos, perante a magia que nos rodeia, grandiosa, mas contendo, ela própria, algumas lacunas.
Daí a interrogação permanente, com muitas respostas e sem algumas confirmações.





REPENSAR, SE CALHAR É PRECISO

Um dos grandes deficits da sociedade portuguesa, concentra-se, neste momento, em duas áreas fundamentais: na Justiça e na Comunicação social. Na justiça, pela sua morosidade, lentidão, algo nubloso,  e sobretudo muito influenciado, pela denúncia, que num sistema "apelidado" de democrático, deixa algo, para não dizer muito, a desejar. E sujem processos a demorar duas, três, quatro vezes, excedendo o desejável, o regulamentar, o quiçá fidedigno.  E surgem os comentários. E surgem as desconfianças. E surgem, as interpretações. O que não é saudável e bom para a democracia e para as pessoas.
Quanto à Comunicação Social, vai "explorando"  no seu dia-a-dia, os "acontecimentos, por ela detectados, investigados, explorados, e até recriados, deixando até transparecer, que se quer substituir à justiça.
E isto é lamentável. Apoiando-se, nem sempre em factos, mas mais em denuncias, o que também não é bom, investigando muito mais os assuntos, do que quem as produz.
É a cultura do descrédito, do medo, do vale quase tudo.
Tenho sessenta anos para mais do que para menos, de comunicação escrita, e que me lembre, nem no tempo do malquisto salazarismo, ele que condenava as cartas "anónimas", sem que antes tentasse saber quem as mandava, isto acontecia.
Para bem de todos nós, que se repense tudo isto, a bem da verdade e de todos nós.





quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

NÓS SOMOS OS OUTROS

Todos sabemos, com maior ou menor clarividência, que a justiça não existe, e não existe porque, enquanto que  para uns, justiça pode ser baseada em premissas de "dureza", para outros pode ser exatamente o contrário. Pode eventualmente conseguir-se uma aproximação aliando consciência e bom senso, algo muito difícil de se obter nos dias "áureos" que vamos trilhando.
Assim justiça, é algo muito complexo de definir e ao sabor de cada um, e sobretudo, isto sim, de executar, para quem lhe é sugerida ou  tem essa missão. E não é apenas foleando cartapaços ou velhos papéis bolorentos, que podendo embora, alertar para as nossas consciências, vamos com ligeireza lá chegar.
A justiça, anos passados, estava circunscrita, à sabedoria, e essa, à idade.
Os conceitos inverteram-se, e a idade passou a ser senilidade, mesmo com o recurso às magias que a técnica nos vai oferendando.
E eu fico a olhar para isto, por exemplo:


não há insubstituíveis, nem homens que não consigam fazer tarefas que outros fazem. Haverá porventura (e irá sempre haver) homens mais capazes, melhor apetrechados, mais vocacionados, e eventualmente, homens diferentes, para melhor e para pior, em termos de eficácia, de capacidade, de discernimento, de valia para a humanidade.
O que me continua impressionando, é que, e ao contrário do que o Camões dizia; "os homens que da lei da morte se vão libertando", nem se libertam da morte e na maior parte das vezes nem da vida, são  medíocres, só que
aproveitam bem as oportunidades, vivem por vezes regalados, com  bons salários, bons empregos, conseguidos com pouco esforço, à sombra da política, das amizades, do compadrio.
Mesmo que essa gente cumpra (e bem o seu dever, o que é raro), tal qual um bom funcionário, artesão, obreiro do quotidiano, porque razão está sempre na "calha", para receber umas comendas, umas medalhas, o nome de umas ruas e ruelas, para lhes perpetuar a memória?
Isto quer dizer, que mesmo admitindo o cumprimento normal (o obrigatório, e o mínimo que se pode esperar) é sempre considerado para uns, uma graça dos deuses.?
O Fernando Pessoa é que dizia com alguma graça: "O mundo é dos que mandam. Nós (ele incluído), somos os outros. E eu acrescento: os que obedecem.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O VAZIO

Cada vez mais, o vazio provocado pela ausência, da pessoa que provavelmente mais amei na vida, minha mulher Antonieta, querida amiga e companheira, durante quase seis décadas,
 faz-me crescer e sentir uma revolta surda e interior  imensa, uma espécie de  sentimento de injustiça provocado por "aquilo" que convencionámos chamar de doença e morte. E isto,  porque maus e bons, são objecto de tratamento semelhante, por vezes até acontecendo exatamente o contrário. Continuam por cá os menos bons e os melhores vão nos deixando. As religiões curiosamente, sempre estiveram atentas a esse facto, razão pela qual, oferecem céus e infernos, aos mais ou melhor bem comportados aqui por baixo. Mas não deixa de ser uma "tábua de salvação" que natural e obviamente não agrada a todos, mas que não deixa de ser curiosa e ter até sentido: viver para eterna a para  sempre, talvez sem doença.
Áí não se intrometem as forças duvidosas e  exógenas da sorte, do ter ou do não ter, do bem ou do mal, do bem ou do mal  nascido.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Morte fim da Vida? Ou Principio de Vida ou Mistério na busca do Desconhecido? Ou algo aberrante, enquanto ela existe?

Questionar todos e tudo, foi sempre o meu lema e a minha humilde tarefa através do tempo, daquela viagem difícil e sinuosa, a quem chamaram VIDA.
E quanto mais me aproximo da centúria, e quanto mais o desgaste do tempo, vai fazendo paulatinamente o seu "trabalho", mais dúvidas e mais incoerências, vão enchendo o meu alforge sempre pronto a  interrogar os "porquês" e as "finalidades", que vão surgindo desse poço incontornável, gerador de verdades e mentiras, que é o espaço que habitamos a Terra que logo poderá ser o Universo.
E vejo e sinto a vida, tal como ela é, algo maravilhoso,  mágico, etéreo,  grandioso e maravilhoso, mais no seu surgir, como no seu trajecto, mas desiludinddo  no seu devir e na sua finalidade.
E olho o homem, alguém que foi fugindo à natureza, adulterando-a em determinadas situações, acumulando e quinhoando, lucros e prejuízos em proveito  próprio  e prejuízo dela, não lhe dispensando ou regateando um agradecimento, um louvor ou sequer uma referência, vivendo na orla de uma mágoa permanente, uma espécie de espada apontada ao fim do dia,  de todos e de tudo: a morte.
Algo que dizem ser natural, mas que eu entendo brutal.
Vida sim, é o meu lema.  Morte? Nunca!
Meu último livro "Sinais de Infinito" (algo que devias ler e que talvez seja mesmo o último), fala da Vida e fala da Morte. Fala de alguém (afinal o seu autor "encapotado"), que consegue descobrir remédio para a morte, aumentando a vida.
É apenas sonho e nada mais, mas poderá não ser...
Mas tudo isto leva-nos a meditar se a Vida não será uma Magia? E a morte uma libertação?
Ou se pelo contrário: a morte uma desilusão?
Ou a vida, uma "mentira?



segunda-feira, 27 de novembro de 2017

O MISTÉRIO

Diz-se que Agostinho, alguém que a igreja entendeu mandar canonizar e "promover" a santo, afinal  o seu grande e  maior pensador, terá certa vez, junto a uma praia deserta, presenciado uma cena que lhe despertou alguma curiosidade, se não mesmo, intrigado: era uma criança, que ia e vinha do mar, com enorme afã,  trazendo uma pequena vasilha  e depositando o seu conteúdo numa pequena cova, que na praia com carinho fizera.
Agostinho não se coibira, como homem inteligente, culto e conselheiro que era,  de lhe segredar:
- Então?   Se é encher a cova de água, isso o que desejas, nunca o irás  conseguir.
A criança bela e loira, de uma estranha formosura, interrompendo por instantes a sua tarefa, olhou-o demoradamente, olhos nos olhos, e apenas lhe disse:
- Estou fazendo, exactamente o que estás pensando.
Esta a forma encontrada e a resposta adequada, para muito do que nos rodeia, daquilo que no nosso histórico se vai passando, daquilo que encontramos no dia-a-dia, daquilo que  nos parece estranho, misterioso, injusto, até falho de sentido.
Aquilo, que por mais que  pensemos, meditemos, ou exigimos do nosso mais profundo e intimo   pensamento, não conseguimos desvendar ou sequer entender. Chamam-lhe genericamente  "mistério",  uma forma simplista de o assinalar, afinal uma palavra que no léxico normal, serve para rotular tudo aquilo que não entendemos, não alcançamos, não conseguimos nem encontramos forma de decifrar e muito menos solucionar.
E os mistérios tomam "nuances", revestem-se de princípios e até cobrem-se de rótulos. Há os "santos mistérios", os quiçá mais "credíveis" e até famosos. E há os outros.
Todos deixando muitas dúvidas. Uns porque não têm cobertura cientifica. Outros produto de milhares de gerações, vividas na ignorância, na intimidação e no medo. Algumas, porque não são possíveis de abordar, admitindo até, que a mente humana é incapaz de o conseguir.
Estará nesse substrato, a origem da vida e "utilidade" da morte, a última a revelar-se um contrassenso, ou uma "estimável" aberração.
Viver para sempre ou até que necessário, útil, ou comummente desejável, deveria ser o trajeto  comum e ideal da VIDA. O contrário é, em minha opinião, uma falência e um erro. Morrer, é, embora da Vida fazendo parte, é a grande falência para a maior magia que a Natureza alguma vez criou. Uma falência apenas substituída por outra - a memória-, esta mais efémera que agudiza ainda mais a necessidade de a reavivar, mas que não substitui a de reviver.
Uma necessidade dolorosa, porque também ela inerte e morta.
E o grande mistério continua sendo, porque se vive e pior ainda, porque se morre.